10 de jun de 2011

História da formação e da organização científica do trabalho - Organização Empresarial - Aula 9


Aula 9
10/10/2003

História da formação e da organização científica do trabalho

Aqueles que não aprenderem com a história estão condenados a repeti-la”
Karl Albrecht

Pré-história
  • já havia organização
    • o velho ensinava as crianças
    • o jovem abastecia a comunidade com caças, pescas
    • mulheres: manter o fogo aceso
    • crianças: aprender
Feudalismo
  • senhor feudal: dono das terras, castelo
  • vassalos: trabalho em troca de moradia, proteção

Revolução Industrial
  • 1ª: mecanização
    • daqui se inicia a revolta: máquina substituindo o homem
  • 2ª: produção em massa
    • componentes: divisão do trabalho

  • toda a produção dispersa acabou sendo reunida numa fábricas; as famílias produtoras forneceram os funcionários. Depois, crianças e mulheres foram afastadas (crianças atrapalhavam, mulheres para cuidar das crianças.
  • Observação, anotação, entrevistas, pesquisas, testes
    • organização científica
    • observação dos fatos; anotação para não confiar na memória; entrevistas comprovam o que foi observado; pesquisas para complementar; testes para averiguar mudança

Precursores da organização científica do trabalho

Taylor, Frederik Winslow (1856-1915)

  • engenheiro e economista
  • objetivo: conforto do trabalhador com aumento da produtividade
  • por não encontrar emprego, teve de se sujeitar a um emprego onde só recebia alimentação e dormitório
  • preocupações: tempos, métodos, ferramentas, material das ferramentas
    • tempos: medida minuciosa – tempo de conversa, de ida ao banheiro, hora de chegada; Criou equação para medir a “vadiagem” da pessoa e a cronometragem;
    • métodos e ferramentas: ajustou-os às pessoas. Ex: criou 3 pás, uma para o trabalhador de maior compleição, outra para o médio e outra para o menor no caminho das minas.
    • O benefício dado pela empresa é sempre em troca de aumento de produtividade;
    • material das ferramentas: mesmo exemplo das pás. Material alterado para aço rápido.

Fayol, Henri (1841 - 1925)
  • engenheiro e administrador
  • admirador de Taylor, percebeu uma falha na teoria dele: a divisão do trabalho
  • Fayol especializou o funcionário: cada um faz uma parte, sempre repetindo a mesma tarefa. Melhora da produção complementando as teorias.

Ford, Henry (1863 – 1947)
  • criou peça por peça e montou um carro em sua garagem. O primeiro automóvel americano
  • Lançou a construção em série, padronizando peças.
    • E também a noção de conjunto e junção de peças.

Toyota
  • Ideia da pesquisa de mercado antes de produzir: não é só fazer e vender

Para evitar a vadiagem

a) Quando não for ultrapassada a produção base:

S = s . n

onde
S = salário/hora
s = salário / peça
n = número de peças por hora


b) Quando for ultrapassada a produção base:

S = k . s . n

onde
k > 1 e k = QP / PB

PB = produção base
QP = quantidade produzida

notas:
  • para poder utilizar o cálculo é preciso medir o tempo ; dividir os trabalhos entre administração e produção; dividir as tarefas
  • sugestão de livro sobre administração:
    • Organização, sistemas e métodos. Alvarez, Maria Esmeralda Ballestero. MCGraw-Hill, 1991.


Resumo:
  • Taylorismo: regras para trabalho industrial buscando máximo rendimento da empresa
  • Fayolismo: organização da produção através do corpo gerencial da empresa como administrador
  • Fordismo: consolidação da indústria e do processo de trabalho que, através da linha de montagem (produção em massa), homogenizou os produtos (consumo em massa)
  • Toyotismo: produção voltada e conduzida diretamente pela demanda (necessidade) para evitar desperdício

Nenhum comentário: